Papelão como matéria-prima no design de interiores

Categoria: Decoração, Design de interiores, Sustentabilidade

Não é de hoje que a arquitetura e o design de móveis e interiores vêm tirando proveito da versatilidade do papelão.  Responsável por essa inovação, o arquiteto canadense Frank Gehry foi o precursor do ecodesign, design que utiliza materiais de baixo impacto ambiental. Ele desenvolveu uma série de móveis utilizando papelão ondulado e madeira laminada e passou a inspirar outros arquitetos e artistas em todo o mundo.

Moveis de papelão banner interno

A publicitária Daniela Bueno, sócia da Crafta Inteligente, empresa de móveis e objetos de papelão para eventos e residências, enxergou uma demanda do público por produtos sustentáveis: “Prezamos por objetos práticos e de fácil montagem, mas que tenham design refinado e bom custo-benefício. Essa foi a demanda que notamos no mercado: a necessidade por peças divertidas, reutilizáveis e que garantam um fim ecológico para os objetos”.

Já o designer de móveis de Sorocaba (SP) Jefferson Trocato trabalha com cenografia de eventos e é entusiasta do custo-benefício aliado à sustentabilidade do papelão.

“O papelão é 100% reaproveitado, não se desperdiça nada. Além disso, o valor de uma peça em papelão, por exemplo, é muito menor do que uma de MDF. Ele tem o mesmo efeito de outros materiais e o seu peso facilita o transporte. Isso é maravilhoso”, observa o designer.

Com cada vez mais empresas e designers trabalhando com o material, o papelão hoje pode ser encontrado em cadeiras, mesas, móveis para crianças, puffs e estantes, além de objetos decorativos e funcionais com o cachepots e cadernos.

Atualmente o design de interiores possui uma importante vertente de design sustentável, com várias alternativas de reaproveitamento e diminuição de resíduos. O profissional de interiores deve buscar novas maneiras de criar produtos e também repensar a utilização de materiais por meio dos 3R’s (reduzir, reutilizar e reciclar), como falamos no artigo “Reciclar – palavra de ordem global”.

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios – por Nicole Wey e G1 Sorocaba e Jundiaí