Rosa do Deserto: conheça a planta que está se tornando a nova orquídea

Categoria: Decoração, Design de interiores, Paisagismo

Com uma vasta gama de cores, a Rosa do Deserto está se tornando a nova orquídea entre os amantes de plantas. “Trata-se de um movimento lento, mas a espécie exótica está caindo no gosto dos brasileiros”, diz Randall Fidencio, jardineiro e paisagista que também é idealizador e apresentador do Canal Vila Nina TV no YouTube.

Além de nuances incomuns, como o preto, ela também produz flores dobradas, como se estivessem uma dentro da outra.

RosadoDeserto interna

A forma escultural da planta é o que chama a atenção de Carol Nóbrega, do FLO Atelier Botânico. Por isso, ao montar uma instalação na edição mais recente da MADE com o tema “Origem” lá estava a Rosa do Deserto entre as escolhidas por ela e Antonio Jotta para contar a história sobre a relação da dupla com a terra. “É uma planta que passa uma força imensa para quem para e observa”, reflete.

Originário de regiões desérticas da África e da península Arábica, o Adenium obesum precisa de sol em abundância para se desenvolver. “Para cultivar a Rosa do Deserto em apartamento é preciso que haja um local onde bata sol por pelo menos quatro a seis horas por dia. No restante do tempo, é bom que o local seja iluminado”, diz o Randall.

Carol dá uma dica para quem mora em apartamento e mesmo assim quer ter a Rosa do Deserto dentro de casa. “Procurar o local mais claro, com certeza perto da janela, e observar como a planta se desenvolve”, sugere.

Ao contrário do que muita gente pensa, a Rosa do Deserto aprecia água, mas o substrato precisa estar bem soltinho. “A água não pode ficar acumulada no vaso para que a raiz da planta não apodreça”, diz Randall. “Cada vez que a gente coloca água na planta, é como se estivesse lavando o substrato, então é preciso repor nutrientes com frequência para alimentá-la. Qualquer fertilizante que seja próprio para floração será bem-vindo.”

Para checar o substrato, diz o paisagista, coloque o dedo no vaso e sinta a terra. Se estiver seca, é hora da irrigação. No verão, faça regas de duas a três vezes por semana. No inverno, reduza para uma vez a cada sete dias. Segundo ele, é possível fazer mudas no momento da poda, a partir dos galhos que foram cortados.

Fonte: Casa Vogue por Ligia Nogueira